Um dia em Madrid




Finalmente chegaram as férias. Já que o ano passado tirei apenas três dias de férias, durante o ano todo, para ir a Dublin em Janeiro, digamos que estou a tirar a barriga da miséria e a compensar este ano, as férias que não gozei o ano passado.

Quem me conhece sabe que adoro viajar e viver outras cidades, passear nas ruas, entrar nas igrejas e cafés, conhecer outras culturas e locais. E tento sempre fazer uma viagem por ano, por mais pequena que seja. Este ano, fiz duas “grandes”, digamos que não tiro a barriga da miséria com pouco. ahahah

Como sabem, em Abril fui a NY para rever a minha família, casar o meu primo e conhecer a cidade que nunca dorme. Podem ler tudo aqui, aqui, aqui, aqui e aqui (Ufa! Sim, eu escrevi seis artigos sobre a minha viagem a NY, Its NY malta!!).

Com Outubro, chegaram as minhas férias de Verão: férias com amigos (fui eu, o André, e os meus melhores amigos – o Hugo e o Filipe), sol, praia e com tudo incluído! Viva o México! Mas antes fizemos uma paragem por Madrid. Tal como na minha viagem a Punta Cana (prometo contar em breve), em 2016, partimos de Madrid e não de Lisboa. Assim aproveitamos para dar mais uma voltinha.

Gran Vía

Falemos então de Madrid… partimos de Lisboa no Sábado, dia 26 de Outubro, de manhã e fizemos o voo que demora cerca de 50 minutos. Chegámos a Madrid às 9h da manhã, apanhámos o Metro até ao Centro da cidade e fomos pôr as malas à pensão onde ficámos hospedados nessa noite. Alerto que o bilhete do Metro requer o pagamento de um “Suplemento de Aeroporto”, no valor de 3€. Sempre que se parte do Aeroporto ou é o nosso destino, temos de pagar este suplemento. No nosso caso, pagámos 6€, cada um, pela viagem de Metro, do Aeroporto até à Estação Tribunal (a estação mais perto da nossa pensão).

Deixadas as malas, começámos a caminhada, fomos até à Grand Vía e de lá descemos até à Puerta del Sol, onde podemos ver o famoso Km 0 – o ponto onde começam as seis principais auto-estradas espanholas – e a Estátua da Ursa e o Medronheiro (símbolo da cidade de Madrid).

Km 0
Ursa e o Medronheiro

Plaza Mayor

Seguimos até à Plaza Mayor, onde podemos ver a Estátua de D. Felipe III, e continuámos a andar até ao Mercado de San Miguel. O mercado é super giro, com imensas bancas dos mais variados petiscos, ou melhor, das mais variadas tapas.

Aproveitei para comer um taco de salmão e abacate delicioso.

 

Mercado de San Miguel

 

Voltámos à Grand Vía e descemos até ao Parque de El Retiro, passando pela Fonte de Cibeles, e a Porta de Alcalá, na Plaza de la Independencia.

Gran Vía

Passámos a tarde no Parque de El Retiro, o meu sítio preferido em Madrid.

O parque é enorme, respira-se natureza por todo o lado. O Lago Grande, onde podemos andar de barco, deixa-me encantada e o Palácio de Cristal… É lindo, lindo!

Claro que toda a magia do local contribuiu para a sensação de felicidade que ali vivi: o dia solarengo, os patos no lado, os raios de sol que atravessam os enormes vidros do Palácio de Cristal, os locais a tocarem e cantarem “A Whole New World” (a mítica música do filme Aladin, da Disney). Parece que vivi um momento de magia ali mesmo.

Palácio de Cristal, Parque de El Retiro, Madrid

Palácio de Cristal
Lago Grande do Parque d’El Retiro

Regressámos à Pensão Enebral, onde ficámos hospedados e aproveitámos para dormir uma sestinha, uma vez que tínhamos acordado muito cedo. Em relação à pensão não é nenhum local de alta qualidade e requinte. Ficámos num quarto, a casa de banho é partilhada e os barulhos ouvem-se todos. Não aconselho propriamente esta pensão, mas desenrascou e para dormir apenas uma noite serviu bem.

Pagámos voo de ida e volta 75€.

E por aí? Quem Já visitou Madrid?

Comentar

  Subscrever  
Notify of