SushiDay: uma agradável surpresa

Na passada sexta-feira, depois de um dia de trabalho, apetecia-me ir jantar fora. Apesar de ir trabalhar no sábado, recusava-me a perder o espírito de “sexta-feira”, que geralmente inunda a maioridade da população do nosso planeta. Eu não sou excepção, durante muitos anos trabalhei aos sábados, mas é incrível ver como a disposição que tenho à sexta-feira é, efectivamente, diferente, mesmo que trabalhe no dia seguinte. Não sei se era contagiada pelos meus amigos que “estavam” definitivamente de fim-de-semana ou se era algo que pairava no ar. O que é certo é que, no meu caso, a boa disposição aumenta à sexta-feira e qualquer tipo de cansaço desaparece, ou pelo menos, atenua-se. E por isso, porque não aproveitar o que resta da sexta-feira?

E assim foi, falei com o C., o meu namorado, que logo se aprontou para irmos jantar fora. Uma coisa que precisam, desde já, saber sobre mim: sou completamente louca por sushi. E apesar de, estranhamente, não ser o que mais me apetecia comer naquele dia, sushi é sempre sushi e nunca se nega comer sushi.

Andávamos a querer experimentar um restaurante que nos tinham falado em Alverca e, apesar de já ser um pouco tarde, arrancámos e lá fomos nós experimentar o SushiDay.

Assim que chegámos ao restaurante, gostámos logo da decoração. É um espaço agradável, claro, com música ambiente no volume certo e imensas plantas de bambu. Não estava cheio, talvez devido às horas ou ao facto de ser o fim de semana da passagem de ano e muita gente ter aproveitado para ir para fora. E a maior parte das pessoas presentes estavam já no fim das suas refeições. Fomos cumprimentados muito simpaticamente e prontificaram, de imediato, uma mesa para duas pessoas.

Entradas: Sopa Miso, Crepes e Temakis de Salmão e Philadelphia

Deram-nos uns minutos para que nos instalássemos confortavelmente e de seguida vieram explicar-nos os menus que disponham e quais as opções mais pedidas. Optámos pelo Menu de Rodízio para duas pessoas (que custou 19,90€ cada) que incluí: uma sopa miso, crepes chineses e dois temakis à escolha como entradas e o rodízio que contava com uma variedade imensa de peças de sushi tradicional e de fusão. Outra coisa que precisam saber sobre mim: a minha peça de sushi preferida é o temaki de Salmão com Philadelphia ou os Gunkans de Salmão.

Primeiro prato do rodízio

O primeiro prato de rodízio veio bastante colorido e contava com um pouco de tudo: sashimi, sushi tradicional, de fusão e alguns fritos.

Achámos a qualidade do peixe muito boa, sinceramente dos mais frescos que comi.

Em termos de variedade, veio bem servido, sendo que tínhamos a possibilidade de pedir no próximo prato algumas peças que quiséssemos especificamente.

Como sempre veio acompanhado de gengibre e wasabi.

Para acompanhar o jantar pedimos uma sangria de espumante com frutos vermelhos, que estava simplesmente maravilhosa. Foi a melhor sangria de espumante que bebi. Bastante fresca, doce q.b e muito saborosa. Tinha-nos sido aconselhada pelo funcionário e nós aceitámos o conselho e não nos arrependemos nada.

O segundo prato veio para a mesa com peças diferentes, pois quisemos deixar à escolha do sushiman, com a excepção dos Gunkans de Salmão (porque será?), que já tinham vindo no primeiro prato mas pedi que viessem mais no segundo.

Segundo prato de rodízio
Sobremesa

Como forma de sobremesa, seguimos novamente o conselho do funcionário que nos sugeriu um sushi frito composto por Alga Nori, Arroz e Banana, que veio acompanhado por chocolate negro e leite condensado.

Confesso que não sou grande apreciadora de misturar doces com sushi, mas surpreendentemente foi uma sobremesa agradável. Não sei se voltarei a pedir numa próxima visita, mas para os mais gulosos, aconselho, pois tenho a certeza de que irão gostar.

Por fim, tenho a dizer que foi uma refeição muito agradável, pelo atendimento super simpático, sempre bastante prestável, o ambiente acolhedor e sossegado, acompanhado por musica ambiente asiática e pela qualidade do sushi. Pagámos cerca de 58€ pelos dois.

O único ponto menos positivo que posso apontar foi a demora na vinda dos pratos de sushi, tanto do primeiro como no segundo. Apesar de não ter sido uma demora extraordinária, achei que não se justificava pelo número de pessoas que estavam no restaurante. Contudo, gostámos bastante da experiência e iremos voltar, com toda a certeza.

E por aí? Existem amantes de sushi? Já experimentaram o SushiDay?

 

Continue Reading

O ínicio

Com o começo de um novo ano, vêm também novas resoluções e objectivos, uns apenas para o novo ano que entra, outros de vida em geral.

Há algum tempo que queria ter um blog. Não o queria para ter visibilidade ou ganhar algo com isso, mas queria ter um espacinho meu na imensidão que é a Internet. Costumava dizer aos amigos mais próximos que gostava de ter “um diário virtual”, um diário onde pudesse escrever e partilhar variadas experiências, mas também algo que pudesse consultar, ler e editar em qualquer hora ou local. Algo passivo de melhoria, de evolução. E, ao mesmo tempo, e ao contrário de um diário típico, queria que fosse algo público,  sujeito a feedback e opiniões, de pessoas que conheço ou não, daqui ou de acolá. Algo que fosse privado o suficiente e, em simultâneo, me ligasse ao Mundo inteiro. E, por isso, em 2018 nasce um novo blog: o Indo eu…

Ganha a coragem (e ajuda) para criar o blog, veio a dificuldade de especificar o tema. Todos me perguntavam “mas um blog sobre o quê?”. Pois bem, inicialmente a minha ideia seria ter apenas um diário de bordo, um diário onde partilharia as viagens que fosse fazendo. Isto porque sou péssima a dar dicas e ideias de locais que visitei e, muitas vezes, até os nomes dos museus ou monumentos me esqueço (I Know, I know, shame on me!). E por isso, o blog seria a ferramenta necessária para registar todos os locais visitados, deixar dicas e ao mesmo tempo partilhar aquilo que mais gosto: as fotografias. Mas sejamos sinceros, não viajo assim com tanta frequência, não que não queira, mas nem sempre a vida o permite e por isso, o blog teria de ter mais categorias que pudesse aprofundar e partilhar. Posto isto, o Indo Eu… vem partilhar convosco as actividades de lazer de que mais gosto: passear, comer fora e viajar.

Assim, conto partilhar convosco os locais a visitar em Lisboa, e por Portugal fora, os restaurantes e cafés que frequento e as viagens, que tanto adoro fazer.

Espero ser-vos útil e conto também com sugestões e ideias da vossa parte. Agora agarrem os passaportes e façam parte desta viagem! ✈

Continue Reading